Comissão de Proteção de Menores e Adultos Vulneráveis

As comunidades e instituições da Igreja Católica devem ser espaços de convivência feliz e segura para todos, especialmente para os menores e os mais frágeis. Por isso, para colaborar neste sentido, prevenindo e superando tudo o que o contrarie, o Papa Francisco, na Carta Apostólica “Vos Estis Lux Mundi”, de 9 de maio do ano 2019, determinou: “As Dioceses, individualmente ou em conjunto, devem estabelecer, dentro de um ano a partir da entrada em vigor destas normas, um ou mais sistemas estáveis e facilmente acessíveis ao público para apresentar as sinalizações, inclusive através da instituição duma peculiar repartição eclesiástica” (n. 2).