Diocese de Viana do Castelo •

Igreja Católica no Alto Minho

Contributo Penitencial 2011

Antes da festa do Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo para o Pai, Ele, que amara os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim. É assim que o Evangelho segundo S. João (13, 1) nos introduz no mistério pascal da morte e ressurreição de Cristo – o mistério do mais extremo amor de Deus pela humanidade. Os "seus" de que fala S. João, em primeiro lugar, somos nós, os cristãos que já vivemos desse e para esse amor. Celebrá-lo significa deixarmo-nos conquistar ou renovar por ele. E sabemos que é por ele que nos identificamos como cristãos: É por isto que todos saberão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros – diz-nos Jesus, ainda na última Ceia (Jo 13, 35).

Este amor ou tem expressões práticas, concretas, ou não existe. Uma delas é a do contributo penitencial a que somos convidados, principalmente durante a Quaresma, o tempo de preparação para a Páscoa da Ressurreição. Damos do que faz parte da nossa vida, para ajudarmos outros a viver, como e com Cristo, que deu a vida por todos, para que todos tenham a vida e a tenham em abundância (Jo 10, 10).


Para este ano, e após consulta do Conselho Presbiteral, tomei a decisão de destinar o nosso contributo penitencial, em partes iguais, para três fins: a nível diocesano, para um fundo de apoio a comunidades cristãs que estão a construir igrejas; a nível nacional, para o Fundo Social Solidário da responsabilidade da Conferência Episcopal Portuguesa; a nível internacional, para ajudar jovens carenciados a participar nas Jornadas Mundiais da Juventude, em Madrid.


Sejamos generosos. Quanto mais dermos da nossa vida, maior será a que recebemos – como Cristo que, pela total oferta da sua vida, alcançou a glória da ressurreição.


Viana do Castelo, 3 de Março de 2011


† Anacleto Oliveira