Diocese de Viana do Castelo •

Igreja Católica no Alto Minho

69º Cursilho de Homens

O Movimento dos Cursinhos de Cristandade, da Diocese de Viana do Castelo realizou de 23 a 26 de Janeiro o 69º Cursilho de Cristandade de Homens, tendo participado 15 novos Cursilhistas de quase toda a Diocese. 
A Equipa Sacerdotal foi constituída pelos Reverendos, Monsenhor Manuel José Azevedo Vilar, da Meadela, que foi Director Espiritual do Cursilho, Padre Moisés Duarte Rodrigues Correia, de Ponte da Barca e Padre José Borlido Carvalho Arieiro de Guilhadeses
A Equipa Leiga, foi constituída por 11 Dirigentes do Movimento e teve como Moderador; Manuel Rodrigues da Meadela
 A Clausura e a Eucaristia de encerramento, tiveram lugar no Auditório do Centro Pastoral Paulo VI. em Darque, estando presentes mais de 500 Cursilhistas, vindos de todos os Arciprestados da nossa Diocese, que encheram literalmente o Auditório e que mais uma vez vibraram com os novos Cursilhistas, de cujos testemunhos transpareceu a vivência de uma Espiritualidade e formação Cristã intensiva ao longo dos três dias, que os projetou para a uma  vivência testemunhal no 4º. dia, nos seus  ambientes, em Igreja e em família.
A Eucaristia foi Presidida pelo Bispo da Diocese, D. Anacleto Oliveira e concelebrada por 7 Sacerdotes.

Clausura69


Na Homilia, D. Anacleto começou por dizer que, nos três anos, desde que chegou à Diocese de Viana do Castelo, já esteve em 9 Clausuras de Cursilhos e sempre tem ouvido cantar depois da Comunhão o cântico “Seduziste-me Senhor” que cria um ambiente propício à reflexão; Este cântico inspira-se no “Capítulo 20 de Jeremias,” é uma linguagem de sedução entre o homem e a mulher, em que a mulher é seduzida.
 “Seduziste-me Senhor”  - a vocação é uma sedução de Deus. Vós os15 que participastes no Cursilho, fostes seduzidos em muitos momentos: frente ao Sacrário e com os irmãos. Foram muitos momentos de intimidade com o Senhor.
Queremos ser consequentes, porque o Senhor vai pôr-nos à prova. Ser Cristão é duro e difícil, mas vale a pena, referiu D. Anacleto, que deixou o seguinte desafio: “Não tenhais medo de ser Cristãos, o Senhor desafiou-nos, mas está connosco, não nos abandona”